Colunas

Novidades(?) - Ary Júnior Barreiros da Silva

18/03/2016

Pelos lados do Heriberto Hulse reaparece HENICK.  Interessante essa notícia em face da carência do Criciúma por atletas de qualidade para compor o elenco.  Ainda assim, sabe-se que esse jogador encontra-se em nível dos demais que por lá estão, ou seja, seria “mais um”.

Estranho mesmo é observar que nada se tem feito em busca de reforços.  E quero estar errado quanto a essa afirmação.  Desejo e espero que estejam trabalhando no sentido de qualificar o grupo para o restante de 2016.

Ao jogo com o Joinville: o que se pode verificar são as constatações já batidas e cansativas feitas por boa parte daqueles que acompanham o  dia a dia do Criciúma Esporte Clube.  Um elenco limitado, inexperiente e num nível qualitativo muito duvidoso.  Desnecessário avaliação individual.  No entanto, Róger Guedes, Luis e Welington Saci estão acima da média geral do restante do grupo.  Ainda merece menção zagueiro Giaretta que tem demonstrado boa capacidade para sair jogando com a bola (raridade hoje em dia).  De resto, não há muito o que se esperar. A derrota veio por um castigo (penalidade máxima) tal qual o fora no primeiro turno em desfavor do Joinville quando do jogo no Heriberto Hulse. 

Assim, quando se busca informações sobre uma maior/melhor qualificação do elenco e pouco ou nada se sabe, ou ainda se tem HENICK como contratação possível e mais ainda, cientes da deficiência no setor de ataque, o que dizer?

Perdeu-se a oportunidade quando havia uma vantagem econômica para contratar jogadores de outros países da América do Sul.  Atleta que já está no grupo profissional de um clube de ponta seja no Uruguai, Argentina, Paraguai, Colômbia, etc., dispensa maiores análises.  Exceto com o tal PEREA (lembram?).  Lamentavelmente o cenário mudou e agora vemos uma valorização absurda para trazer atletas dessas equipes sul-americanas.  Pois o que se viu foram grandes clubes realizarem essa garimpagem com sofreguidão nos últimos meses.

Perdemos o “trem da história”.  E lembro que muito se falou nessa coluna a respeito dessa possiblidade.  Nossa realidade salarial bem se encaixava à época para contratações.  Agora, não mais.  Lamentemos apenas.

Ary Júnior Barreiros da Silva

Natural de Urussanga (SC). Foi goleiro de futebol de Salão do Benfica – Imbituba-SC  e atleta de handball da CME e Laguna na década de 70. Em Concórdia (SC), onde reside atualmente, atuou como diretor do Concórdia Atlético Clube.  Acompanha o Criciúma desde 1978 quando era aluno da Escola Técnica Federal de Santa  Catarina, em Florianópolis, e as cores do uniforme ainda eram o azul e branco. Nessa época, presenciou grandes atuações do time comandado por Ademir Patrício, Laerte, Serrano, entre outros, fazendo-se assim, torcedor desde então. 

Formado em Direito e Administração de Empresas, Mestre em Direito Internacional. Professor Universitário. Tem programa semanal na 104 FM de Concórdia-SC.  Preside atualmente o Miura Clube de Santa Catarina (Veteran Car) e a OSCIP Ventre Livre na cidade de Concórdia.

 

Entre em contato com este colunista:
aryjrbs@yahoo.com.br